Um pouco de Tecnologia.

A TV digital brasileira completa 3 anos no próximo dia 2. Desde que as primeiras transmissões foram feitas, em São Paulo, o padrão se expandiu - e hoje cobre quase 40% da população brasileira. Mais que isso, ele está ganhando o mundo. Agora, no entanto, a tecnologia nipo-brasileira enfrenta o desafio da interatividade, com a adoção do software Ginga. Desenvolvido no Brasil, o Ginga permitirá, por exemplo, que se recebam informações adicionais da programação, além de publicidade dirigida.
Os telespectadores, que nos últimos três anos ganharam qualidade de som e imagem, certamente mudarão sua relação com a televisão. Às emissoras, abre-se um novo modelo de negócios. Já as indústrias e o varejo vêem-se diante da oportunidade de aceleração da produção e das vendas.
Atualmente, mais de 90% dos televisores novos com conversores de sinal analógico para digital e as próprias caixinhas para acoplar nas TVs antigas e captar as imagens com novo padrão ainda não contam com o Ginga. Ou seja: para aproveitar integralmente a tecnologia, o consumidor terá que comprar equipamentos cuja produção só agora as indústrias estão começando a despejar no mercado.
É apostando neste valor agregado à TV pelo Ginga que o governo prevê que o país chegará à produção de cerca de 15 milhões de conversores e TVs com interatividade até 2013.
Porém, o governo terá que superar uma grande barreira: popularizar o conversor, cujo preço ainda é muito salgado. A meta oficial é baixar o preço, próximo de R$ 300 hoje, para a casa de R$ 180.
Para isso, o governo, em conjunto com a indústria, vem trabalhando para tentar reduzir os custos de logística - armazenamento, transporte e distribuição dos conversores.
Produção em alta e preços atraentes
Para o diretor-geral da Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e TV (Abert), Luis Roberto Antonik, o preço ideal dos conversores ficaria em torno dos R$ 100, para se conseguir atingir todo o público.
Ainda assim, Antonik reconhece que este ano a indústria está conseguindo um desempenho excepcional na produção e na venda de televisores de tela plana e de plasma. Em Manaus, foram produzidas mais de cinco milhões de TVs com conversores embutidos em 2010. O executivo afirmou ainda que, no varejo, a TV mais vendida, a de 32 polegadas, pode ser encontrada por um preço atrativo: entre R$ 1.100 e R$ 1.200.
A indústria aposta ainda nos eventos programados para os próximos anos como impulsionadores das vendas, como a Copa das Confederações de 2013, a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016.
- A TV digital vai crescer, mas não podemos ficar ansiosos. Sou extremamente otimista - garantiu o diretor-geral da fabricante Telesystems, Marco Szili.
Grandes redes de varejo estão na linha de frente na venda de conversores, como Extra, Carrefour e Ponto Frio. As redes chegam a parcelar em dez vezes o preço médio de R$ 299 do aparelho. Mesmo sem o Ginga, as vendas estão aquecidas.
As emissoras de TV, de acordo com a Abert, ainda estão desenvolvendo o modelo de negócios que a interatividade do Ginga vai permitir. Um dos exemplos de interatividade é a escolha de um programa ou fazer compras pela televisão.
Para o governo, o Ginga terá um papel social muito importante, porque por meio dele poderá levar informações de utilidade pública a 54,7 milhões dos lares brasileiros ou 95,1% do total da população que tem acesso a televisão no país.
fonte: o globo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

VEJA O VÍDEO DO ESTUPRO DA MENINA DE 14 ANOS NA COLÔNIA AGRÍCOLA PENAL NO PARÁ QUE REPERCUTIU NO MUNDO

SOMENTE PARA MAIORES DE DEZOITO ANOS. FOTOS NUAS DE BB!

Divulgada lista de aprovados no concurso para cargos de escrivão, investigador e papiloscopista