Deputado federal Dudimar Paxiúba: audiência pública.

Cometi um erro de avaliação sobre o qual gostaria de me penitenciar.

Pensei que estivéssemos livres da sanha feroz e da cólera dos "coronéis de garimpos". Ledo engano. "A força da grana que ergue e destrói coisas belas" mais uma vez provou que está mais do que nunca em evidência. Subjuguei suas capacidades de reação e de domínio do status quo.
A estridente, sonora, ensurdecedora vaia direcionada a mim não me abalou e nem abalará, continuarei firme, inflexível e equilibrado na defesa dos "pontos" respeitante a garimpagem no Rio Tapajós que reputo como inegociáveis. Sou visceralmente contrário. E ponto. Embora respeitando os que assumam posição divergente.

Os apupos (ainda bem que limitados apenas à histeria verbal) não foram apenas decorrentes dessa “questão garimpeira”. Extravasou-se muitos desabafos político-partidários reprimidos. Uma derrota eleitoral custa cicatrizar. Já perdi muitas disputas eleitorais e sei bem como isso dói. E sente mais o prepotente e orgulhoso que não respeita a vontade da maioria.

Quero dividir as vaias com outros recursos naturais que não se restringem apenas ao ouro e diamante. Incluo como alvos também dessa fúria exasperada, os igarapés, nascentes, florestas, lagos encostas e principalmente o nosso Rio Tapajós.

Só há um consolo: não há mal que dure para sempre. Os políticos passam os “coronéis de garimpos” também.

Penso ter chamado atenção para um problema ambiental que reputo de extrema gravidade. Mas como em nome da malfadada "economia" quase tudo pode, esperemos pra ver no que vai dar tudo isso.

A responsabilidade de um cargo público eletivo vai além dos interesses localizados e pressões de grupos setorizados.

Recentemente, em reunião na sede do SINTEP, fui aplaudido pelos pescadores quando defendi o Rio Tapajós. Ninguém registrou, não havia interesse.

É uma pena que alguns garimpeiros na verdadeira acepção conceitual do termo (por sinal poucos presentes no recinto da audiência pública) estejam sendo usados como massa de manobra. No semblante triste, cabisbaixo, olhar a esmo e ar cansado desses faiscadores vê-se, isso sim, a desesperança estampada no rosto de cada um. Enquanto isso os "coronéis de garimpos" se enfeitam com correntes e pulseiras reluzentes (parecidas com as que ornamentam nossos amigos pagodeiros) e roupas de grifes, desfilando em carrões top de linha.

Com raríssimas exceções, esses "coronéis de garimpos" (na audiência pública muito bem representados pelo senhor João DELUB) são exímios dribladores do fisco e de qualquer outro órgão de fiscalização. São, com raríssimas exceções, sonegadores de mão cheia.

Entretanto se arvoram em falar em nome de uma categoria profissional pela qual não têm sequer respeito algum. E certamente muitos dos membros dessa categoria de trabalhadores não entendiam o real motivo de suas presenças naquele ginásio. Em troca de uns poucos trocados transformam, num toque de mágica, esses pobres sofredores em massa de manobra.

Trocaria as vaias recebidas pelo tratamento respeitoso ao verdadeiro garimpeiro, que sempre terá o meu respeito, minha consideração e acima de tudo minha solidariedade. Esse pobre coitado precisa da atenção do Poder Público, menos quanto a legalização de garimpo, posto que sequer dispõe de recursos e maios para extrair o metal existente sob seus pés, e mais quanto a atenção no sentido do atendimento às suas necessidades básicas como saúde, alimentação, educação e moradia.

Se alguém nunca viu miséria e vida degradante que dá dó, por mais paradoxal que possa parecer, vá a um garimpo (dito tradicional) do vale do Tapajós. Você encontrará meia dúzia usufruindo de tudo e quase que a totalidade dos que ali habitam vivendo no mais completo desamparo.
Até o "símbolo" da época áurea da extração de ouro do Tapajós precisou da piedade cristã de uns poucos para ser retirado doente do garimpo onde reinou absoluto por quase duas décadas. Quem lembrou do Zé Arara acertou no alvo.

A corrida do ouro é uma febre terçã que não baixa nunca. Há mais de quatro décadas se vive, no chamado vale do Tapajós, nessa temperatura elevadíssima cujo o rastro é infinitamente de coisas ruins: doenças, prostituição, tráfico de drogas, dano ambiental, violência, contrabando, sonegação, miséria,  etc... Apenas um seleto grupo tem-se beneficiado do martírio de muitos. Mas fazer o que? quanto mais fragilizado (física e mentalmente) fica o verdadeiro garimpeiro, torna-se cada vez mais presa fácil dos manipuladores "coronéis de garimpos".
Continuarei firme no propósito de lutar pelos reais direitos dos verdadeiros garimpeiros como fiz há pouco tempo, contribuindo com a aprovação, na comissão especial, do direito de aposentadoria ao garimpeiro. Isso mesmo, até agora esse verdadeiro garimpeiro se obriga a faltar com a verdade afirmando que trabalhara a vida toda como agricultor para obter o benefício previdenciário como trabalhador rural. E são milhares que já procederam desse modo.

Sabia disso seu João DELUB – “defensor dos garimpeiros”?  Me engana  que eu gosto.

Que fuja de mim o que se diz hipocrisia!

Um resistente abraço!

Dep. Dudimar Paxiúba      
 
 
 
Fonte: Blog do Jota Parente

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

VEJA O VÍDEO DO ESTUPRO DA MENINA DE 14 ANOS NA COLÔNIA AGRÍCOLA PENAL NO PARÁ QUE REPERCUTIU NO MUNDO

SOMENTE PARA MAIORES DE DEZOITO ANOS. FOTOS NUAS DE BB!

Divulgada lista de aprovados no concurso para cargos de escrivão, investigador e papiloscopista