Com leilões de aeroportos, Infraero vai redefinir funções e enxugar quadro de chefia


Concessão deve reduzir cargos »Com leilões de aeroportos, Infraero vai redefinir funções e enxugar quadro de chefiaEm Confins, são 362 funcionários
Sílvio Ribas
Publicação: 30/10/2013 06:00 Atualização: 30/10/2013 07:13
A reestruturação gerencial da Infraero também integra a sua preparação para a abertura de capital no Novo Mercado da Bovespa, entre 2015 e 2016. A diretoria desistiu de criar a subsidiária Infraero Participações, para atuar em outros negócios, mas está estruturando outra, a Infraero Serviços (nome provisório), voltada para atuar como consultoria e explorar suas competências nas áreas técnicas. As concessões dos seus três maiores aeroportos já levou a uma perda de 40% da receita e outros 15% deverão sair do orçamento com a liberação de Confins e Galeão.O governo está correndo contra o relógio para garantir o sucesso da segunda rodada de leilões de aeroportos, para os quais seis consórcios formados por operadores internacionais e empreiteiras nacionais já manifestaram interesse. A Casa Civil está empenhada em evitar questionamentos jurídicos, além de subsidiar os grupos de dados que revelem a lucratividade de cada terminal. As preocupações com a atratividade de Confins cresceram nos últimos dias após a revelação de perda no fluxo de passageiros. O diretor da Infraero esclareceu que os investidores deverão levar em conta as perspectivas de crescimento do setor nos próximos 15 anos. No caso do aeroporto mineiro, os recuos se deve à conjuntura geral e ao ajuste de oferta, com corte de 7%, liderado pelas líderes TAM e Gol.
Aeroporto de Confins, a ser leiloado em 22 de novembro: plano para acomodar servidores lotados nos terminais entregues à iniciativa privada  (Cristina Horta/EM/D.A Press - 21/6/13)
Aeroporto de Confins, a ser leiloado em 22 de novembro: plano para acomodar servidores lotados nos terminais entregues à iniciativa privada
A assinatura dos contratos de concessão dos aeroportos de Confins, na Grande BH, e do Galeão, no Rio de Janeiro, no começo de 2014, vai coincidir com o término da atual reestruturação administrativa da Infraero. Ao deixar de operar mais dois grandes terminais de sua rede – a serem leiloados em 22 de novembro e dos quais será só sócia na gestão –, a estatal federal também vai enxugar seus quadros de gerenciamento. "O esforço das mudanças é para adequar nossa estrutura à queda de receitas e aos custos atuais", explicou o diretor de Planejamento da empresa, Mauro Lima. Os números finais dos cortes e redefinições de funções serão divulgados na próxima semana.

Em paralelo à redução dos cargos de chefia, sobretudo no nível de gerência, e à conversão das superintendências regionais em centros de apoio, a Infraero também aposta em mais avanços no plano para acomodar quase 4 mil funcionários lotados nos seis aeroportos já entregues à iniciativa privada ou a serem leiloados. Dos seus 13,5 mil empregados concursados, a estatal tem 2,8 mil nos terminais privatizados de Brasília, Guarulhos (SP) e Campinas (SP). Desses, 791 aderiram até agora ao Plano de Demissão Voluntária (PDV) e outros 483 foram cedidos a outros órgãos como Receita e Polícia Federal.

Esses movimentos, além das transferências para os demais 60 aeroportos da Infraero, terão o alvo ampliado até o fim do ano, com a inclusão de outros 1.621 empregados, sendo 1.130 do Galeão, 362 de Confins e 129 de Natal. Esses últimos serão absorvidos pelo terminal concedido 100% ao setor privado de São Gonçalo do Amarante (RN), cujas obras estão na reta final. "O acordo firmado entre as empresas e os sindicatos de trabalhadores prevê esse esforço de aproveitamento ou desligamento até 2018. Mas também não quer dizer que os remanescentes serão demitidos após essa data", acrescentou Lima.



Turbulência

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

VEJA O VÍDEO DO ESTUPRO DA MENINA DE 14 ANOS NA COLÔNIA AGRÍCOLA PENAL NO PARÁ QUE REPERCUTIU NO MUNDO

SOMENTE PARA MAIORES DE DEZOITO ANOS. FOTOS NUAS DE BB!

Divulgada lista de aprovados no concurso para cargos de escrivão, investigador e papiloscopista